17 de janeiro de 2018

A mobilização pífia contra o reajuste do combustível

A mobilização pífia contra o reajuste do preço da gasolina, realizada ontem na estrada do Nacional, principal acesso às distribuidoras de combustível, não ganhou a adesão esperada nas redes sociais do Estado. Na realidade, o protesto causou um grande transtorno para as distribuidoras, mas não levou nada a lugar nenhum. A população ainda não tem a dimensão do poder das redes sociais, mas o movimento vem pra rua ainda é bem tímido.
O reajuste da gasolina é praticado desde o ano passado, quando a Petrobras mudou a forma de reajustar o valor do produto nas refinarias. De lá pra cá, o reajuste do produto passou a acontecer de forma diária, fugindo do controle até mesmo dos economistas e da população.
A realidade é que o consumidor não está fazendo sua parte, aliás, dificilmente faz. Muitas das vezes, abastece o produto e esquece de solicitar da empresa a nota fiscal. Dessa forma, não há como fazer um controle maior do que entra e sai e as empresas de combustível acabam sendo favorecidas com a falta de consciência da população.
Dados disponibilizados pelo Programa de Educação Tutorial (PET), do curso de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Rondônia (Unir), mostra a evolução do preço dos combustíveis na cidade de Porto Velho.
O litro da gasolina comum, com preço médio de R$ 3,93, teve um aumento de 2,45% no mês de novembro em comparação com o mês de outubro. Já, no comparativo com o mês de novembro de 2016, o preço da gasolina comum aumentou em 4,17%. No acumulado dos últimos doze meses o preço do litro já aumentou 4,31%.
A diferença no preço da gasolina entre os postos de combustíveis chegou a 14,0%, em termos monetários, a diferença entre os preços chegou a R$ 0,52 por litro, variando entre R$ 3,69 e R$ 4,21.
O preço mais baixo encontrado no mês de outubro foi de R$ 3,68 em novembro o preço mais baixo encontrado foi de R$ 3,69, registrando uma variação de 0,27%. O preço mais alto teve uma variação de -3,95%. O preço mais alto em outubro foi de R$ 4,05 e em novembro foi de R$ 4,21. Hoje o preço gira em torno de R$ 4,30, um verdadeiro assalto ao bolso do consumidor.
Quem reside fora do Estado, entende que investir na construção de posto de combustível é um grande negócio. Hoje se percebe a grande quantidade de postos de combustível existentes na  capital. É sinal que investir no ramo de combustível se tornou um grande e importante negócio lucrativo.

16 de janeiro de 2018

Reforma da Previdência na pauta da Câmara

Os deputados federais retornam no próximo dia 19 de fevereiro ao trabalho com uma missão bastante difícil. Colocar na pauta de votação da reforma da Previdência. Não há dúvida que o tema é bem polêmico e os líderes partidários defendem a medida como necessária para equilibrar as contas do país.  
O apoio dos tucanos é de fundamental importância para a votação da Reforma da Previdência e, mesmo o governo abrindo o caixa para agradar prefeitos, não foi o suficiente para garantir a votação no ano passado. 
Os líderes partidários entendem que votação vai ser muito importante para continuar o ajuste fiscal e mostrar a responsabilidade que se tem com as contas públicas.
Parlamentares da base de oposição entendem que projeto prioritário é enterrar de vez o debate da reforma. Nos bastidores, o PCdoB, já demonstrou que tem interesse em batalhar para impedir a votação do texto “cruel e fiscalista, que retira o direito de aposentar” de parte da população.
O rombo na Previdência no Brasil é grande e há sim a necessidade de fazer os ajustes. Muitos Estados estão quebrados e o Brasil caminha no mesmo sentido com a quantidade de funcionários bem próximo da aposentadoria. A oposição precisa mostrar que tem compromisso com o Brasil. 
Foi justamente essa oposição que deixou o Brasil com um elevado índice de desemprego e promoveu vários escândalos de corrupção resultando na operação Lava Jato. Se a proposta for aprovada, o PSDB terá muito que convencer o eleitorado, em ano eleitoral, o motivo de ter aprovado a Reforma Previdência.
Agora, o Governo Federal investe pesado nos bastidores para garantir o apoio dos governadores para que intercederam junto as bancadas federais nos Estados para reforçar o apoio na votação e garantir o maior número de votos. 
No último final de semana, o presidente Michel Temer distribuiu um artigo para os grandes jornais em todo o Brasil. No documento, ele destaca a importância das ações realizadas este ano para equilibrar as contas do País. 
Sem dúvida, a reforma da Previdência será um grande desafio para o peemedebista e não será fácil convencer as bancadas e garantir o apoio necessário na aprovação da proposta na primeira semana após o recesso parlamentar. 
Por outro lado, sindicatos estão se mobilizando no sentido de convencer as bancadas federais nos Estados a votar contra a proposta de reforma da Previdência. Entendem que será um grande prejuízo para a classe trabalhadora.

15 de janeiro de 2018

Os R$ 34 reais do seguro-desemprego

Na semana em que o Ministério do Trabalho ficou sem ministro, por conta da pendência com a futura ministra Cristiane Brasil, os trabalhadores receberam uma notícia importante. os trabalhadores demitidos há até cinco meses e que ganhavam mais de um salário mínimo receberão mais dinheiro do seguro-desemprego. O valor do benefício superior ao mínimo foi reajustado em 2,07%, equivalente à variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do ano passado.
Com o aumento, o teto mensal do benefício subirá de R$ 1.643,72 para R$ 1.677,74, diferença de R$ 34,02. O piso do seguro-desemprego equivale a um salário mínimo, que passou de R$ 937 para R$ 954 em 1º de janeiro, alta de 1,81%.
Até aí tudo bem. Mas o que o Brasil está necessitando no momento não é de aumento do seguro-desemprego. Pelo contrário, os empresários trabalham no sentido de manter o trabalhador por mais tempo nas empresas e evitar rotatividade. Entendem que essa rotativa traz sérios prejuízos para indústria.
O problema maior é o peso da carga tributária. Muitas empresas não conseguem sobreviver por muito tempo e, no começo do ano, sofrem para colocar em dia as obrigações trabalhistas, previdenciárias, além da renovação de taxas, IPTU e outras autoridades de funcionamento. Nunca na história do Brasil o empresário pagou tanto impostos.
O pequeno empresário quer gerar emprego e faz tudo para não demitir. Se o atual governo tem grande interesse em superar a crise, não será aumentando o seguro-desemprego. Precisa dar mais apoio aos pequenos e grandes empresários que geram empregos e renda, mas que muitas das vezes são impedidos de gerar novos postos de trabalho por conta do aumento dos impostos e contribuições previdenciárias.
O trabalhador não quer seguro-desemprego. O trabalhador quer um emprego digno para sustentar sua família e conviver em sociedade. Ter direito de pagar por uma boa alimentação e pagar os estudos dos filhos. Afinal de contas, pensar em uma boa eduação aos filhos é planejar o futuro.
Em determinadas cidades de Rondônia, o produtor rural não quer saber de bolsa-família e outros tipos de benefícios. O trabalhador rural não quer também aumento de seguro-desemprego. O trabalhador da roça é um cidadão simples. Quer ganhar dinheiro de forma digna para oferecer o melhor para sua família e continuar produzindo alimento para o desenvolvimento do Brasil e outros países. Talvez seja a hora do governo reaver a questão do seguro-desemprego. 

O preço da arroba do boi congelou

O preço da arroba do boi em Rondônia apresentou uma significativa melhora nos últimos meses, mas parece que o benefício maior foi para os donos de frigoríficos, que estão comercializados já há algum tempo a arroba a R$ 128,00. O mesmo valor é praticado no Sul do Mato Grosso.  
Segundo apurou o Diário, a cotação da arroba do boi gordo começou na última quinta-feira com alta de 1,50% no preço e o produto é negociado a R$ 148,70 no estado de São Paulo. Em Goiânia, a arroba é vendida à vista a R$ 138. Já Barretos e Araçatuba, em São Paulo, comercializam a arroba a R$ 146,05 à vista.
No estado vizinho do Mato Grosso, o preço chegou a girar em torno de R$ 143,00, conforme apurou a Assembleia Legislativa de Rondônia, em missão realizada em território matogrossense com parlamentares estaduais. É importante registrar que o valor da arroba estava em queda em Rondônia (R$ 126,00) e graças a instalação da CPI dos Frigoríficos no Poder Legislativo o valor foi revisto.
De lá pra cá, pouco avançou no preço do alimento. O produtor rural ainda continua pagando um valor irrisório pelo preço da arroba, sendo que as exportações de carne ganharam novos mercados nos últimos anos. Por outro lado, a gasolina sofreu reajuste, impactando diretamente na linha de produção dos frigoríficos. Com isso, o preço da carne chega mais salgado à mesa do consumidor, mas o valor da arroba do boi segue sem alteração. 
Os pecuaristas desconhecem o verdadeiro motivo do gado de Rondônia ter um valor econômico diferenciado em relação ao rebanho paulista. O gado paulista está mais próximo das grandes indústrias e há mais opções de venda da carne. Com as indústrias mais próximas, o custo de produção na região central é bem melhor em comparação a região Norte. 
Importante lembrar que as exportações bateram recordes seguidos nos últimos meses. Mesmo com efeito negativo produzido pela operação carne fraca, deflagrada ano passado pela Polícia Federal, o Brasil consolidou novamente novos acordos comerciais. A China se tornou um importante comércio para a produção de carne e a Rússia ampliou as negociações com o Brasil. 
Os produtores rurais de Rondônia demonstraram grande otimismo com o trabalho dos parlamentares durante a CPI dos Frigoríficos, mas essa fiscalização nos frigoríficos precisa ter andamento com a retomada dos trabalhos na Assembleia Legislativa. O Ministério Público Federal também teve importante participação, bem como o Ministério do Trabalho no momento em que os frigoríficos ameaçavam encerrar as atividades no Estado. 

12 de janeiro de 2018

Dias de tormenta em Porto Velho

Com o nível do rio Madeira acima dos 13,5 metros, o município de Porto Velho caminha a passos largos para um começo de ano bem difícil. Alguns problemas são ocasionados em função da forte chuva em território boliviano e peruano e que atinge rios da Amazônia. A defesa civil municipal já trabalha um plano de ação para socorrer famílias que estão em área de risco e o Corpo de Bombeiros realiza hoje sobrevôo em áreas da região. 
Ontem, trecho da BR-364, rodovia federal que liga Porto Velho a Rio Branco, foi danificado em função da força da água do rio Madeira. Na enchente do ano de 2014, parte da rodovia federal ficou coberta durante mais de 30 dias e o Estado do Acre ficou isolado. Mais de 3 mil famílias foram prejudicadas com a enchente e o ex-prefeito Mauro Nazif (PSB) enfrentou dias de tormenta. 
Além da possibilidade de uma nova enchente, existem outros fatores que vão necessitar uma atenção maior da administração municipal. Os casos de Dengue e Chikungunya dispararam e, conforme relatório do Ministério da Saúde, Porto Velho registrou um crescimento de mais de 700%. Talvez seja necessário começar com urgência uma campanha publicitária de conscientização alertando a população sobre os risco e o que pode ser feito para amenizar a demanda de casos. 
Outro grave problema é o acesso às estradas vicinais e assentamentos que ainda dependem de indenizações por parte das empresas responsáveis pela construção das usinas do Madeira. Todo o problema vai respingar no município e talvez o setor de infraestrutura não esteja preparado para um plano de ação de emergência. Há necessidade do Estado entrar junto na luta contra a Dengue e no trabalho emergencial em favor das famílias que estão enfrentando problemas de locomoção em áreas de difícil acesso.
A empresa que presta o serviço de coleta de lixo enfrenta dificuldade para entrar em bairros periféricos. Dois caminhões da empresa ficaram atolados na zona Sul da cidade e a empresa teve que contar com auxílio de um trator para retirar os veículos da lama. 
A previsão do Centro Regional do Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam), em Porto Velho, é de muita chuva nos próximos dias, dificultando o plano de ação do município. Em território boliviano a situação não é diferente. Se o clima não melhorar na próxima semana, não haverá Rei Momo este ano em Porto Velho. 

11 de janeiro de 2018

Acúmulo indevido de aposentadorias

O Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU) identificaram um rombo no pagamento indevido de mais de R$ 330 milhões para aposentados e pensionistas do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS). Ainda não se sabe o verdadeiro motivo, mas esse rombo revela o motivo da previdência estar UTI e sem previsão de recuperação. 
No ano passado, o Diário trouxe como reportagem de capa um pente-fino nas aposentadorias do INSS. Um recadastramento feito no ano passado constatou  pagamentos indevidos em Rondônia. Até dezembro, foram cessados em todo o Estado a realização de perícia em 643 benefícios. Os benefícios cancelados por não comparecimento contabilizam 228 somando um total de 871 cessados.
O rombo deve ser maior. Deflagrada pela  Polícia Federal (PF) em Rondônia no ano passado, a operação Operação Consilium Fraudis, desarticulou um grupo criminoso suspeito de cometer fraudes no INSS. Segundo a PF, a quadrilha era responsável por um prejuízo de cerca de R$ 1,2 milhão aos cofres públicos. Ao todo, 34 mandados judiciais foram cumpridos nas cidades de Porto Velho, Ariquemes e Alto Paraíso. 
O mais complicado é o valor retornar aos cofres públicos. Na maioria das vezes, não há como identificar com maior precisão o autor dos saques dos benefícios. Muitas das vezes, o dinheiro é sacado por parente fora do domicílio. Raramente os saques acontecem na “boca do caixa”. Outros preferem utilizar as casas lotéricas. 
O fato é que o rombo existiu e, mais uma vez, a população vai pagar a fatura no final do mês. Por outro lado, quem de fato precisa receber o benefício de aposentadoria, enfrenta uma verdadeira maratona para ter direito ao pagamento do INSS. O valor, embora irrisório, serve para ajudar nas despesas dos idosos no pagamento de medicamentos e outras necessidades de emergência. 
O trabalho realizado pela Controladoria-Geral da União precisa ser constante. Infelizmente, ainda existem no mundo pessoas capazes de liderar atos criminosos para desviar o dinheiro público. Muitas das vezes, a classe política é culpada pela situação que se encontra o país, mas a corrupção começa dentro da própria residência da população. 
As organizações criminosas não se contentam em burlar a fiscalização. Vão mais além. Além das fraudes, utilizam aposentados para contrair empréstimos milionários. Geralmente, quem fica no prejuízo, além do governo e o cidadão de bem, são as instituições bancárias responsáveis pela autorização do crédito. 

10 de janeiro de 2018

Notícias falsas em campanha eleitoral

A internet se tornou um tribunal sem lei e preocupa a Justiça Eleitoral. O Diário já havia alertado nesse espaço sobre a propagação na rede, durante campanhas eleitorais, de falsas notícias por parte de entidade. 
Para o leitor ter uma ideia da gravidade das notícias falsas, foi postada na tarde de ontem em uma rede social, uma capa falsa da revista Veja. No destaque, estava a foto do juiz Sérgio Moro, que atua no processo da operação Lava Jato. A capa trazia como manchete, “Sérgio Moro culpado” e destacou ainda como o juiz federal teria feito para burlar a Justiça e proteger o senador Aécio Neves (PSDB). 
Na realidade, a notícia é falsa. No site da revista Veja consta várias capas, menos a que apareceu na rede social com a foto do juiz federal. A propagação dessa notícia falsa serve para os órgãos de fiscalização e controle acelerarem uma estratégia no combate às notícias falsas. 
A França enfrenta problema semelhante. Na última quarta-feira, o presidente Emmanuel Macron declarou guerra contra notícias falsas e aqueles que a espalharam. No discurso à imprensa por ocasião do Ano Novo, o presidente francês anunciou uma lei para controlar, limitar e punir a propagação na rede, durante campanhas eleitorais, de falsas notícias por parte de entidades estrangeiras.
Macron, que denunciou a tentativa das mídias estatais russas como a Rússia Hoje de desestabilizar sua campanha em maio, apontou as falsas notícias e as “democracias ilibres” que as instigam como uma ameaça à liberdade de imprensa. A notícia foi publicada na edição da última quarta-feira do jornal El Pais. 
Juntamente com o Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDRP), um novo regulamento eletrônico de privacidade (e-Privacy) proposto pela Comissão Europeia entrará em vigor.
Em artigo assinado pelo jornalista Pepe Cerezo, do jornal El Pais, ele destaca que a principal mudança é que será necessário um consentimento mais estrito do usuário, o que afetará principalmente a captura e o processamento de dados na publicidade digital. O consentimento terá que ser feito através do navegador “por meio de uma declaração ou ação afirmativa clara” do usuário para o download de cada cookie do suporte e de anunciantes, redes e assim por diante. 
Segundo ele, embora seja necessário ver como o seu desenvolvimento termina, o novo regulamento pode supor uma mudança de paradigma para o setor de publicidade digital, que em nosso país representou em 2016, mais de 1.565 milhões de dólares.
Para o Brasil não enfrentar graves problemas durante o processo eleitoral, a Justiça Eleitoral deve ter como base essas mudanças implantadas no mercado americano e francês e implantar medidas que estabelecem regras na rede. 

9 de janeiro de 2018

O pior já passou

O brasileiro carrega consigo a esperança de dias melhores e acreditam que o pior já passou na economia. Grandes empresas estão otimistas com o crescimento da economia no Brasil e apostam agora nos jogos da Copa do Mundo, como forma de impulsionar as vendas e atrair novos clientes na plataforma digital.
Segundo o Banco Central, a expectativa é de expansão de 2,7% da economia neste ano, o que indica que a recuperação de rota está em pleno curso. Esse percentual de crescimento tende impulsionar o avanço da economia. Dessa forma, investimentos em estratégias de marketing e publicidade tendem a ganhar vigor já nos primeiros meses do ano, conforme pontuou o jornalista Felipe Tulão, no site Propmark. 
Em Rondônia, os investimentos com publicidade institucional para este ano devem ultrapassar R$ 10 milhões, conforme as projeções da Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão (Sepog). Um dos atrativos é a Rondônia Rural Show, a feira de tecnologia que acontece no município de Ji-Paraná, região central do Estado. Trata-se de uma feira importante que movimenta a economia e impulsiona o agronegócio no Estado. 
O processo eleitoral é outra grande aposta dos marqueteiros, empresas de publicidade, advogados e gráficas. Jornalistas e importantes escritórios de advocacia estão organizando plano de trabalho e começam o segundo semestre com todo a força de trabalho.  
O importante é que todos devem torcer para ajudar a tirar o Brasil da crise econômica. Com a economia se recuperando, é possível surgir novos empregos. As grandes empresas apostam nessa mudança de comportamento na economia. Até porque, precisam vender seus produtos e para isso dependem dos consumidores. 
A empresa Vivo, por exemplo, aposta na inovação em soluções de conexão para atender às necessidades da população, principalmente durante as eleições e jogos da Copa do Mundo. Hoje o celular está presente na vida da população. Segundo apurou o Diário, mais de 6% da população produz conteúdo, enquanto 22% criticam ou reproduzem conteúdo na internet. Já 36% observam ou participam ou cultivam contatos na rede mundial de computadores. A pesquisa foi realizada pelo Sebrae.
Empresas que atuam no ramo de pet shop também fecharam o ano com otimismo e já planejam expandir investimentos no Brasil. O número de estabelecimentos comerciais que atua nessa ramo aumentou em Rondônia e novos representantes no comércio de razão estão apostando no mercado rondoniense. 
O grande desafio para quem atua no ramo de markting é superar o tempo nebuloso que afetou a economia brasileira nos últimos anos, ao mesmo tempo que lutam para manter a relevância de suas marcas, engajando pessoas a partir de propósito e valores claros. Se não ocorrer mais um fato novo na política, é possível o Brasil sair mais rápido dessa nuvem nebulosa.